Viajando pelo Japão: Shibuya e Harajuku – Tokyo

Shibuya é um dos bairros mais famosos de Tokyo. Qualquer guia irá colocá-lo como imprescindível, nem que seja para ver seu famoso cruzamento, bem em frente à estação de trem. Realmente é muito curioso ver os pedestres cruzando em todas as direções, mas de maneira mais ou menos organizada.

O melhor lugar para ver o espetáculo é a cafeteria do Starbucks, que fica em frente à estação de Shibuya, e onde foi tirada a foto acima.

Shibuya é um bairro cheio de gente jovem, que vai em busca de compras e entretenimento. Uma coisa que achamos super engraçada é que existem várias lojas só de maquininhas para pescar bichos de pelúcia. Meu irmã ficaria louca.

Loja de maquininhas de pescar bichos
Loja de maquininhas de pescar bichos

Outra coisa interessante do Japão é a quantidade de máquinas que vendem comida e bebida pelas ruas, assim como a oferta de restaurantes e lugares de street food. Uma vez eu li que era muito mal visto andar na rua comendo, mas todos os lugares que olhávamos tinha uma barraquinha de crepe e óbvio um monte de gente comendo (eu inclusive). Se você tem medo de ir para o Japão porque não come peixe cru te aviso que fome lá você não vai passar. Até porque a culinária japonesa é muito mais do que sushi.

Crepe
Crepe com banana e sorvete

No final da tarde desse dia já estávamos desejando comer sushi. Como não encontramos nenhum dos restaurantes recomendados (aconteceu mais de uma vez) acabamos entrando em um que tinha uma fila gigante de locais. E não estava mal (comer mal, não comemos nenhuma vez).

Genki sushi, Shibuya
Genki sushi, Shibuya

Nesse restaurante você senta num balcão, em frente a um esteira, escolhe o que quer por uma tela e depois de alguns minutos o que você pediu para na sua frente. Nesse caso a comida não está passeando pela esteira. Quando você pede, a cozinha prepara e te manda.

Computador individual
Computador individual

Aproveitamos para provar um monte de coisa. Alguns muito bons, outros nem tanto, mas nada ruim. E bem barato, o que é sempre positivo.

Roll de salmao
Roll de salmão
Roll de camarao
Roll de camarao
Roll de salmao
Roll de salmao
Roll de atum
Roll de atum
Sushi de salmao
Sushi de salmão

Harajuku é um sub-bairro de Shibuya e um dos lugares que mais gostei de Tokyo. Para chegar lá basta usar a mesma linha Yamanote e descer na estação Harajuku, que está ao lado do Parque Yoyogi (que não visitamos porque estava chovendo).

Essa zona ficou conhecida nos anos 90 quando os jovens mais extravagantes se reuniam para exibir seus looks nos domingos. Hoje já não se vêem tantas extravagâncias (nós pelo menos vimos poucas) mas ainda se pode encontrar uma lolita gótica perdida pela rua.

A Omotesando, a rua principal, cheia de boutiques caras e uma arquitetura espetacular, poderia ser comparada à Champs Elysees. É realmente impressionante, principalmente quando você sai de uma zona de neon como Shibuya ou Shinjuku. Além das lojas caríssimas, essa zona tem loja de tudo, até loja especializada em camisinha.

Condomania
Condomania
Condomania
Condomania
Condomania
Condomania

Se você tem filhos (ou não) não deixe de entrar na KiddyLand. É uma loja de brinquedos super linda, onde dá vontade de comprar tudo.  A Snoopy Town é a coisa mais fofa.

Snoopy Town - KiddyLand
Snoopy Town – KiddyLand

Cruzando a avenida, não deixe de entrar na Cat Street, uma ruazinha peatonal cheia de boutiques e lojas de segunda mão. É interessante como não mais entrar nessa rua não se escuta um ruído de carro. Apesar de muitas lojas de segunda mão, os preços são de primeira.

Cat Street
Cat Street

Siga por essa rua até a rua Takeshita, uma outra rua completamente diferente, com lojas voltadas para o público mais jovem e alternativo. Mais uma vez o contraste impressiona. É umas das ruas mais famosas da região, portanto não deixe de ir.

Rua Takeshita
Rua Takeshita
Rua Takeshita
Rua Takeshita
Rua Takeshita
Rua Takeshita

Em Harajuku nós comemos em um restaurante especializado em gyoza. A única maneira de encontrá-lo foi perguntando, porque o nome estava em japonês. A fila na porta também ajudou a localizá-lo.

Restaurante de gyoza
Restaurante de gyoza

No cardápio, só quatro tipos de gyoza, sendo duas com alho e duas sem e duas seladas e duas cozidas. De cara pedimos 6 de cada e depois repetimos as opções sem alho. Ou seja, 18 peças por pessoa. Depois de uma fila de meia hora na chuva era o mínimo. Mas valeu a pena esperar.

Gyoza selada
Gyoza selada
Gyoza cozida
Gyoza cozida

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s